Erro

[OSYouTube] Alledia framework not found

O jornal anarquista que manifesta o sindicalismo e populariza o bakuninismo

cdop leia contribua

O jornal Causa do Povo é associado à UNIPA - União Popular Anarquista, uma organização política e revolucionária bakuninista de trabalhadores. A UNIPA existe desde 2003 e reúne movimentos estudantil, sindicalista e comunitário. Alguns dos participantes desses movimentos integravam o coletivo LEL - Laboratório de Estudos Libertários. O LEL foi o responsável pela publicação do jornal Causa do Povo e da revista Ruptura, que, mais tarde, passaram a ser órgãos da UNIPA. 

A UNIPA tem comitês e grupos em diversos estados e foi fundada no Rio de Janeiro, onde teve notável atuação na Universidade Federal de Fluminense (UFF). No site, a edição disponível mais antiga do jornal é a Nº 33 de junho de 2007. O propósito é manter a sociedade informada acerca da luta pelo socialismo no Brasil, as questões que tangem a luta de classe, em especial a causa dos trabalhadores. Também objetiva, propagar a ideologia anarquista e ser uma fonte de memória para o coletivo, pois o Brasil tem um histórico de apagamento de movimentos políticos de cunho libertário que, geralmente, não são pautas da mídia convencional. 

Hoje, o jornal tem 77 edições e a última publicação é do ano de 2018. Esta inatividade do jornal não é um reflexo da atuação da organização. A UNIPA continuou ativa durante este período, mesmo sem novas publicações. Porém, apesar de serem numerosos os jornais alternativos ligados aos movimentos políticos como anarquistas, socialistas e comunistas, muitos deles tornam-se estagnados. 

Em 2014, o coletivo Portal Anarquista apresentou em seu site um inventário - cujo o link, inclusive, foi disponibilizado pela UNIPA na seção do Causa do Povo - feito pelo periódico venezuelano El Libertario sobre imprensas anarquistas na América Latina que possuem publicações onlines. No inventário, a maioria dessas publicações anarquistas brasileiras citadas está inativa e algumas delas têm páginas indisponíveis. Aliás, três destes jornais, incluindo o Causa do Povo, tiveram suas últimas publicações em 2018. A UNIPA informou que em breve um novo número do Causa do Povo será lançado. 

Sendo feita essa última observação, é importante lembrá-los que há ainda diversos jornais e folhetins ligados a movimentos políticos no Brasil.

Como já dito, o Causa do Povo teve origem no Laboratório de Estudos Libertários. O LEL tinha a intenção de rearticular o movimento anarquista no Brasil e era, inicialmente, uma organização para produção de teorias políticas. Em seguida, parte de seus membros compuseram a UNIPA que, primeiramente, chamava-se Federação Anarquista Insurreição (FAI), mas por terem divergências em relação à conduta da Federação Anarquista Ibérica (FAI), optaram pelo nome União Popular Anarquista. 

Até no contexto de formação da UNIPA, é perceptível a maneira como o movimento se articula e tem sua ideologia muito bem estabelecida, o que se manifesta nas pautas e conteúdos do jornal. Bem, como a própria ideologia anarquista preza pela autogestão é natural que o jornal seja escrito por estes militantes que fazem parte da União. No site há ainda uma seção de Construção Nacional, onde a União propõe um Comitê de Apoio e Propaganda (CPAC), a fim de promover ainda mais, juntamente com voluntários e comunidade, a ideologia bakuninista nos estados brasileiros. Entre as atividades feitas pelo comitê está a distribuição de boletins e documentos da UNIPA, a organização de debates e seminários, além da contribuição de informações locais e, eventualmente, a elaboração de textos e análises que podem ser publicados nos veículos de comunicação da organização, também, é possível propor pautas para os boletins. 

E por estas propostas feitas, a UNIPA se mostra bastante horizontal na forma que conduz a organização e suas mobilizações. Em contato com a UNIPA por email, ela indica alguns outros jornais com aproximação com o modelo e pautas do Causa do Povo, são eles: Rede de Mídia Classista (filiada à Federação de Organizações Sindicalistas Revolucionárias do Brasil - FOB), Jornal "Chega de escravidão" (órgão do Sindicato Geral Autônomo do Rio de Janeiro) e Jornal "Avante" (boletim da Rede Estudantil Classista e Combativa - RECC). 


O jornal tem suas publicações disponíveis em PDF no site da UNIPA. É possível ver nessa página que as edições mais antigas, inicialmente, eram impressas e vendidas pelo valor de R$ 0,50 (50 centavos). E apesar de a última edição do jornal ter sido publicada em 2018, o site da UNIPA é bem ativo, sempre com comunicados, conteúdos e mobilizações. Está, também, disponível a revista da UNIPA chamada Via Combativa, com conteúdo teórico-político bakuninista, que possui três edições, com artigos muito interessantes e necessários.

A UNIPA possui coletivos da organização em diversos estados do Brasil, incluindo o Distrito Federal. A união se mostra muito bem articulada ao sair do recorte Brasil e expandir seu conteúdo e rede aos demais países da América Latina. E para que isso ocorra, há uma chamada para tradução voluntária, no qual qualquer pessoa pode se voluntariar e informá-los os idiomas da tradução. 

As principais pautas do Causa do Povo são relativas à luta de classe e aos movimentos de resistência. Então, os assuntos discorrem sobre a economia, a política e as mobilizações que visam uma revolução proletária. E mesmo a organização tendo como base uma vertente teórica-prática, o bakuninismo, a linguagem é bastante clara e acessível, o que pode significar uma maior diversidade entre os leitores e maior inserção de pessoas de diferentes comunidades no movimento.  

Não há propriamente iniciativas voltadas para a pandemia do coronavírus, mas há, no site, comunicados sobre o assunto que marcam o posicionamento da organização quanto a crise que o país está passando.

Além do site, a UNIPA tem perfil em redes sociais, no Twitter e no Facebook

 

Referências

Site União Popular Anarquista 

Causa do Povo 

Portal Anarquista 

PENNA, Mariana Affonso - Socialistas Libertários e Lutas Sociais no Rio de Janeiro: Memórias, Trajetórias e Práticas (1985 - 2009)