O CRIAR BRASIL – Centro de Imprensa, Assessoria e Rádio

 

O projeto de comunicação popular, alternativa e comunitária O CRIAR BRASIL é uma organização não governamental sediada na cidade do Rio de Janeiro, que tem como princípio fundamental a atuação pela democratização da comunicação, umas das prerrogativas fundamentais para uma organização de comunicação social ser considerada uma CPAC. O Criar Brasil tem a sua articulação ancorada no comprometimento com a cidadania e fortalecimento da conscientização social através da comunicação e trabalha com uma ampla rede de comunicadores populares e instituições da sociedade civil

 

Fundado em 1994, O Criar Brasil surgiu do Ibase – Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas, instituto fundado pelo sociólogo Herbert de Souza ao lado dos economistas Carlos Afonso e Marcos Arruda. Em mais de duas décadas, a instituição vivenciou uma profunda transformação tecnológica e comunicacional, fortaleceu parcerias com redes de rádios e de TVs, especialmente as comunitárias e públicas.

 

O Criar Brasil atua em cinco segmentos distintos, são eles: audiovisual, oficinas, assessoria, publicações e pesquisas, e formação de redes. O coletivo conta com uma ampla rede de rádios parceiras comprometidas com a comunicação cidadã. Hoje, já são cerca de mil e quinhentas emissoras comunitárias, educativas e comerciais comprometidas com a luta pelos direitos humanos e pela qualidade de vida de suas comunidades. 

 

É em parceria com elas que O Criar Brasil produz material informativo multimídia e organiza capacitação para comunicadores populares. São rádios de todas as regiões do Brasil, grandes e pequenas, urbanas e rurais, convencionais e webrádios, todas comprometidas com a comunicação cidadã.  Nos últimos anos, O Criar lançou a Radiotube, uma rede social exclusiva para a cidadania, onde produções radiofônicas dos mais diversos lugares do país são disponibilizadas na plataforma para conhecimento e acesso público.

 

Atualmente o projeto de comunicação comunitária conta com dezessete integrantes, separados entre  o conselho, coordenação e a equipe profissional. O projeto ainda conta com uma rede colaboradores em áreas como redação, capacitação, locução, radialismo, edição e cinegrafia, que trabalham eventualmente quando um respectivo projeto precisa dos conhecimentos desses profissionais. Nos últimos anos, alguns dos projetos de comunicação lançados pelo O Criar foram: “Juntas!” projeto de empoderamento das mulheres, Microfones Abertos Contra  a Aids, Promovendo a Segurança de Comunicadores (as) Populares na Luta por Direitos, Mandata - Por mais mulheres na política, Comunicação Positiva Covid 19, Estou Viva por Sorte Parte II, Saúde Positiva: Informação e Acesso, e o Futuro do Trabalho e o Trabalho do Futuro.

 

No segmento audiovisual os projetos foram muitos, porém a última ação audiovisual do coletivo foi o projeto Microfones Abertos Contra a Aids que foi composto de 3 curtas-metragens e 5 radionovelas, o projeto teve como objetivo democratizar as informações sobre a doença para comunicadores populares, transformando-os em multiplicadores de conhecimento sobre contágio, prevenção, tratamento e discriminação da AIDS no Brasil.

 

O Criar também realiza oficinas de comunicação, segmento importante dentro do coletivo, e a última oficina realizada pelo grupo foi no 2º Encontro Nacional de Projetos Apoiados pelo Fundo Positivo, onde o coletivo ofereceu uma oficina de comunicação de dois dias com algumas atividades, como a apresentação de um mapa da comunicação nos territórios, avaliação de materiais sobre IST/HIV/Aids e Hepatites Virais na mídia e uma formação sobre técnicas de produção por celular com dicas de áudio, foto, vídeo e de mídias sociais.

 

Uma das ações mais recentes da CPAC é um podcast sobre a proteção de comunicadores, a página da organização lembra que o Brasil é o segundo país da América Latina que mais mata jornalistas, só atrás do México, e juntamente com a embaixada dos Países baixos, no âmbito deste projeto, O CRIAR BRASIL tem realizado uma série de ações de conscientização social sobre a proteção dos comunicadores, sobretudo dos comunicadores populares que como bem lembra  a página no site, é o grupo mais vulnerável devido às condições precárias de trabalho, alvos de denúncias, baixa remuneração, situação legal irregular e conflitos com os poderes locais. A ação incluiu dois treinamentos presenciais com comunicadores/as atuantes em mídias comunitárias; produtos audiovisuais; uma publicação, e; mobilização virtual. Além dessas atividades realizadas dentro dos segmentos de atuação do coletivo , a organização ainda atua com assessoria de comunicação, publicação de estudos e pesquisas sobre a comunicação comunitária e cidadão no Brasil e formação de redes com coletivos, organizações, rádios e TVs vinculados às ações de comunicação comunitária.  

 

O CRIAR tem uma atuação bem presente nas redes sociais e possui contas nas seguintes redes sociais: Instagram, Twitter, Facebook e Youtube. Conta com uma quantidade razoável de seguidores e inscritos em suas páginas nas redes sociais, o seu canal no Youtube conta com cerca de 1,19 mil inscritos e conta com mais de 2 mil seguidores no Facebook. No canal no Youtube há muitos vídeos de campanhas realizadas nos últimos anos acerca de uma infinidade de temas ligados a direitos fundamentais, como empoderamento feminino, combate ao racismo, direitos humanos, prevenção de ISTs, reforma trabalhista dentre outras pautas relevantes para o país. 

Por: Mateus Pinheiro da Silva